Notícias

14 . 09 . 2017 - 11 : 00

17ª CAVALGADA DA CHAMA CRIOULA DE CAPÃO DO CIPÓ

Mostardas foi a cidade escolhida para o início da distribuição da Chama Crioula 2017, para as 30 Regiões Tradicionalistas. No dia 12 de agosto, centenas de cavaleiros, saíram da cidade de Mostradas, e percorreram estradas do Rio Grande do Sul, conduzindo com carinho e dedicação, aquele que é o símbolo da Semana Farroupilha, a Chama Crioula. Já são 70 anos de tradição, sendo que as cavalgadas chegam a durar mais de um mês, dependendo da cidade de destino.
             Os grupos que conduzem a Chama Crioula são divididos por regiões, com isso é possível contemplar todas as cidades com a centelha. Primeiro é realizado um cronograma e um roteiro bem detalhado e, então, dá-se início à cavalgada.
              O trabalho para organização da cavalgada, acontece com muita antecedência, pois existe toda uma preparação, principalmente dos animais que será usado no trajeto, assim como os locais onde os cavalarianos devem passar a noite. Quem participa, tem amor pelas tradições, pois enfrentam pelo caminho, a chuva, o frio e o sol forte, mas seguem firmes na missão, que é trazer para sua cidade a Chama da Tradição.
               Assim como tem os que participam no lombo do cavalo, existe ainda a equipe de apoio, que são as pessoas que atuam nos caminhões, ônibus, demais veículos, transportando mantimentos e ração aos animais.
                Na manhã do dia 28 de agosto, Manoel Viana foi palco da chegada da Chama Crioula Estadual, depois da mesma percorrer 715 Km. Este ano a chama ficou até dia 9 de setembro, no município, quando foi distribuída para os 12 municípios que fazem parte da 10ª Região Tradicionalista, da qual Capão do Cipó faz parte.
              Chegada em Manoel Viana, outro cronograma foi muito bem elaborado, a realização da 17ª Cavalgada da Chama Crioula de Capão do Cipó, que trouxe a Centelha da Chama até o nosso município. Coordenada por Aldemir Pinto, juntamente com sua equipe, dentre eles mulheres e crianças,  a cavalgada foi  realizada com sucesso.
               O apoio das pessoas também é fundamental, seja na dação de alimentos, no apoio durante a cavalgada, no empréstimo de veículos e até mesmo de equipamentos e, tem ainda as pessoas que sedem algum espaço em suas fazendas para que os cavalarianos possam pernoitar e fazer o seu ritual tradicionalista, aos quais agradecemos desde já.
               Segundo eles, é bastante cansativo, mas ao mesmo tempo gratificante, ver a cavalgada ser um sucesso e muitos cavalarianos, mulheres, homens, crianças, todos participando, não tem preço. É importante destacar a data especialmente para as novas gerações, que estão renovando os quadros do Movimento Tradicionalista e para quem deve-se repassar e mostrar como tudo começou, especialmente os ideais, pensamentos, objetivos, sonhos... Defendendo a ideia de que, de quando em quando, o Movimento deve forçar o resgate destes legados, relembrando os fatos e atos do nosso nascedouro. Mesmo que em nível de MTG tudo isso seja constantemente lembrado, precisamos levar para todos os tradicionalistas, pois ainda temos nos “fundões” desse Rio Grande pessoas que não conhecem seus detalhes ou desconhecem por completo como iniciou o movimento organizado.

Hoje, novamente estamos passando por este infeliz processo de aculturação. Há muito que a Semana Farroupilha vem perdendo seus valores culturais - atualmente sequer a chamam de Semana, mas de Festa Farroupilha, prova concreta da ignorância de seu significado; estão transformando-a em uma simplória fonte de renda, um evento comercial, sem mais. Resgatando e valorizando nossa cultura, aqui em nosso município surgiram indivíduos dotados de inteligência, do mesmo caráter tradicionalista e audacioso dos antepassados, que sempre estão dispostos a cultivar nossa tradição, e não irão deixar morrer nossa tradição.

Este ano, a Câmara de Vereadores se fez representar na cavalgada por seu Presidente, vereador Diego Nascimento, que participou durante todo o percurso, e a câmara também confeccionou diplomas em agradecimento aos participantes e ao pessoal que recebeu os cavalarianos em suas residências, os quais foram entregues a todos no dia 14, dia da chegada da Chama Crioula no município.